Pitadas de amor, política, sexo, inutilidades, poesia e filosofia.

domingo, 3 de outubro de 2010

Bar...


Entro no bar e todos me olham como se fosse um estranho, e eu sou, olho aquelas banquetas enfileiradas pelo balção vazio, atrás dele o garçom, sozinho, me olhando como se me esperasse há uma hora, cara carrancuda, palito sendo mascado como um chiclete, um pano de prato no ombro direito, e um copo vazio na mão. Ele me pergunta o que eu quero beber, olho para um lado e para o outro, vejo uma mesa no canto escuro onde quatro homens sentados me observam, calados. Peço uma garrafa de scoth, puro. Ele põe a garrafa na mesa e me serve uma dose num copo curto e largo como é de praxe, mas não sinto o cheiro de carvalho que deveria exalar daquela bebida, só consigo sentir um cheiro doce e aveludado de sândalo. Pensei comigo mesmo, "o que há de errado?" do outro lado do bar, vejo numa mesa suja e vazia uma mulher, vestida de preto, com um chapéu que encobria seu rosto. Aquele cheiro, só podia vir daquela mulher, ela era a única criatura capaz de emanar um cheiro tão agradável naquele lugar frio, fétido e escuro. Chego perto, a essa altura já tinha tomado dois goles de wshisk sem perceber que era falsificado, passei defronte a mesa e ela levantou cuidadosamente seu chapéu, os homens no canto escuro levantaram. Parei por alguns segundos analisando sua beleza. A mulher me sorriu. Eu tremi, retribuí e fui embora. Ainda não consigo distinguir o que foi pior, trazer o whisky falso ou deixar o sorriso verdadeiro.

Tiago Sousa

2 comentários:

  1. Sair por ai, bar em bar, bar em bar

    ResponderExcluir
  2. Nossa... Por um momento me senti dentros de um daqueles bares do velho oeste, lá nos anos 60... fiquei imaginando a mulher. Vestido preto, cabelinho enroladinho, por baixo do chapéu, batom vermelho, olhos pintados...

    ResponderExcluir

Seguidores

Tiago Sousa Fotografia

Arquivo

Like us

Purifikarte